EDITORIAL 528

Tudo acabou em pizza

A Secretária não acreditou na conclusão apresentada pela autoridade policial

A expressão "tudo acaba em pizza" é muito usada para expressar a insatisfação com a política brasileira. Ela se popularizou durante a crise política de 90, para depor Fernando Collor. Hoje, é uma dura crítica ao vício nacional sobre a impunidade dos crimes políticos. Mas quem foi o primeiro a usar a expressão?

Segundo o blog quintalfratelli.com.br, o jornalista Milton Peruzzi é o pai da criança.

As histórias contam que a expressão foi criada para uma matéria da Gazeta Esportiva. Na década de 60, o clube do Palmeiras passava por uma série de conturbações, e os dirigentes do clube ficaram mais de 14 horas fazendo uma reunião para decidir o futuro do time.

Após a reunião, todos os dirigentes (que estavam morrendo de fome), pediram 18 pizzas gigantes. Milton Peruzzi estava presente na reunião, e no dia seguinte publicou uma matéria com o seguinte título: "Crise do Palmeiras termina em pizza. " Após essa matéria, o jornalista começou a usar a expressão em outras reportagens, e transformou a expressão no sinônimo de "acabar bem".

A expressão até ganhou data de nascimento. O dia 31 de julho de 1992 ficou sendo o dia oficial do termo.

Mas vamos para a pizza da semana.

No vídeo publicado na rede social da Prefeitura de Apiúna, o desabafo da Secretária de Saúde e Assistência Social devido a conclusão do inquérito policial sobre o furto das vacinas contra Covid-19, não apontando nenhum culpado e sim apontando o dedo para a administração, mais uma vez deixou claro que o assunto acabou em pizza.

Até mesmo momentos de angústia e tristeza fizeram parte da manifestação da Secretária, que não acreditou na conclusão apresentada pela autoridade policial.

Vamos aos fatos: se existem câmeras nos corredores é possível saber todos que entraram na sala de vacina desde o período da chegada das mesmas a unidade de saúde até o dia da constatação do furto. Será que ao ouvir todas essas pessoas não houve uma sequer que caísse em contradição ou que demonstrasse indícios de ser o responsável pelo furto?

Fica a dúvida se o desaparecimento das vacinas não está ligado a vacinação de pessoas fora da fila. E estes que já receberam a primeira dose ao receber a segunda não podem ser identificados?

Nós do CN deixamos claro que confiamos plenamente na atual Secretária e que a mesma age e sempre agiu dentro da legalidade.

Todos nós cidadãos esperamos que a municipalidade reaja e busque formas para punir os culpados em todas as irregularidades havidas.

Agora, que tal pedirmos uma pizza?






EDIÇÕES IMPRESSAS



1218217951.png

 

Cabeço Negro
Rua 20, número 60 - sala 01 = Loteamento Helena B. Morro
Apiúna  - SC - Brasil
89135-000

Copyright © 2011. Todos os direitos reservados | Cabeço Negro