SAÚDE

Criança também fica ansiosa?

Crianças são tão imaturas nos seus sentimentos e não conseguem compreender e associar o que sentem com algo normal ou não.

Toda semana ao pensar em algum assunto para trazer e expor aqui na coluna saúde, uso a vivência dos atendimentos, das principais queixas e dúvidas para isso. Mas, essa semana tinha tanto assunto que não sabia nem por onde começar. Isso me causou ANSIEDADE.

Percebam, que algo tão simples, me deixou algumas vezes pensativa e com medo de não conseguir fazer o que deveria no tempo de que deveria. E eu ... SOU ADULTA!

Então, imagine crianças que ainda são tão imaturas nos seus sentimentos, como conseguirão compreender e associar o que sentem com algo normal ou não.

Medo de ficar sozinho, de falar em público, de ir à escola nova, de expor o que sente aos pais; os sintomas de ansiedade em crianças podem até parecer normais - mas não podem ser ignorados.

Quem não conhece uma criança que parece birrenta em distintas situações ou quando exposta a algo fora do cotidiano? Ou ainda que segue dormindo na cama dos pais depois de grande? Ou que frente a provas e avaliações TRAVA?

A ansiedade em crianças precisa ser debatida e entendida como algo que precisa de atenção. Vejo e vivencio dia a dia no consultório pais ansiosos que querem ter filhos calmos. Realmente isso normalmente não é possível: CRIANÇAS SÃO REFLEXO DAQUILO QUE VIVEM; DA SUA CASA; DOS SEUS PAIS; DOS SEUS CONVIVENTES!

Aproximadamente 10% das crianças sofre com algum transtorno da ansiedade, ou seja , é a patologia psiquiátrica mais encontrada nos pequenos, sendo seguida pelo Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH).

Com a pandemia isso se intensificou muito. Crianças em casa, pais estressados e ansiosos, poucas atividades na rua, sem brincadeiras reais e corporais, sem rotina no sono, excesso de telas (celular, tablet, tv) proveniente da tentativa dos pais de silenciar e distrair os pequenos o mais rápido possível, por mais tempo.

Mas como saber se a ansiedade é algo passageiro e normal ou é patológico e precisa de atenção médica e psicológica?

Alguns transtornos de ansiedade se manifestam de acordo com a idade da criança, naturais ao desenvolvimento e ao mundo que habita: medo de tempestades, animais de estimação, escuro, insetos, fogo, se perder dos pais, monstros, desastres naturais, medo de situações sociais, como o dia a dia na escola, interações com colegas e professores.

Mas a ansiedade em crianças se mostra preocupante quando elas apresentam comportamentos muito diferentes dos habituais: isolamento (mesmo dentro de casa), birras constantes , crises de choros incontroláveis , irritabilidade intensa, falta de concentração na escola ou diminuição da interação social. Cabe aos pais ficarem atentos às condutas fora do normal de seus filhos.

A criança demora mais que um adulto para processar um acontecimento ou uma mudança, ela não tem a capacidade de compreender realmente algo que nos parece tão simples. Por isso, a ansiedade pode se manifestar "do nada", dias ou meses depois do ocorrido. O mostro que apareceu em alguém tão calmo, feliz, risonho e compenetrado.

Normalmente a criança:

  • Muda os hábitos alimentares: podendo comer muito ou menos que o habitual;
  • Apresenta pesadelos recorrentes; distúrbios do sono: dormindo muito ou pouco;
  • Isolamento social;
  • Medos inexplicáveis;
  • Perda de vontade de fazer atividades e brincadeiras as quais gostava;
  • Destruição de brinquedos ou objetos pessoais; abuso de telas, como TV, celular ou jogos mais violentos.
  • Problemas digestivos: diarreia ou constipação, aftas bucais, dor de estomago.
  • Sensação de "ciúmes" exagerado, entre outros.

Se existir dúvida sobre quais são patológicos ou quais são ligados à manha infantil, o melhor a se fazer é procurar o pediatra e um psicólogo. Além de diagnosticar a ansiedade, a avaliação médica e a terapia previnem que as crianças interpretem mensagens errôneas dos adultos e que traumas de infância se formem.

Quando a criança entra em crise, os pais ou tutores têm o importante papel de estabilizá-la emocionalmente. Como se trata de uma situação complicada, porém, é comum os pais cometerem alguns erros independentemente de terem as melhores intenções. O principal é manter a calma. Escutar toda angústia que a criança manifesta. VALIDAR as suas emoções e tornar real a sua manifestação.

Pergunte à criança como ela se sente e demonstre empatia antes de aconselhá-la. Dizer "Eu sei que é complicado/difícil. Está tudo bem se sentir triste/bravo" é uma maneira de validar a sua experiência e suas emoções. Só então, forneça um conselho para lidar com isso. Coloque -se no lugar dessas emoções alteradas e lembre se que na sua frente está o serzinho mais importante da sua vida!

Dra. Cristiane S. Schmitz
CRM 19236SC
Especialista em Medicina da família RQE 20506
Especialista em Pediatria RQE 21169.







EDIÇÕES IMPRESSAS



1218217951.png

 

Cabeço Negro
Rua 20, número 60 - sala 01 = Loteamento Helena B. Morro
Apiúna  - SC - Brasil
89135-000

Copyright © 2011. Todos os direitos reservados | Cabeço Negro