SAÚDE

Renal Vida inaugura sede em Blumenau

Centro de Alta Complexidade Renal é inaugurado em Blumenau

Foto: Julio Cavalheiro / Secom

Blumenau passa a contar com uma nova sede da Associação Renal Vida: o Centro de Alta Complexidade Renal, um dos maiores e melhores do Sul do Brasil. Com investimento de cerca de R$ 37,1 milhões, a estrutura dobrará a capacidade de atendimento, que passará de 180 vagas de hemodiálise para 360. A inauguração ocorreu nesta segunda-feira, 25, com a presença do secretário de Estado da Saúde, Alexandre Lencina Fagundes. O governador Carlos Moisés não pode estar presente no evento, mas enviou um vídeo parabenizando pelo novo Centro.

"É um dia emblemático. Consolida a verdade sobre a união de forças, sobre a vontade de um bem comum, de as pessoas se reunirem para fazer o melhor pela sociedade. É um movimento em prol da vida", ressaltou o governador no vídeo.

O Governo do Estado investiu quase R$ 7 milhões para a construção da nova sede. No início de 2022, para apoiar e garantir a conclusão da obra, Carlos Moisés autorizou um repasse de R$ 4,65 milhões. A maior parte foi aplicada no centro cirúrgico e R$ 650 mil foram investidos em energia fotovoltaica. O governo estadual já havia aportado, em 2021, R$ 2 milhões para a compra de máquinas de hemodiálise e R$ 120 mil para equipamentos.

O secretário da Saúde destacou que o novo Centro da Renal Vida é a materialização de uma soma de esforços envolvendo a sociedade, terceiro setor e o poder público com o objetivo de diminuir o sofrimento das pessoas. "A nova estrutura vai viabilizar um tratamento com maior conforto e dignidade para os pacientes renais crônicos, que já sofrem bastante com a enfermidade."



Fagundes acrescentou ainda que a inauguração é o marco de uma construção que começou há muito tempo, quando já se olhava para estes pacientes renais antes mesmo da pandemia. Citou a criação da política de Terapia Renal Substitutiva, validada ainda no ano passado, com investimento de aproximadamente R$ 50 milhões por ano. Isso garante o aumento de consultas, exames, procedimentos e qualificação do atendimento aos pacientes renais crônicos em unidades de saúde. O novo Centro faz parte dessa ampliação.

"Esta é uma das provas do empenho do Governo do Estado e um olhar atento a todas as demandas, especialmente as da Saúde. É um modelo pioneiro no Brasil e que está servindo de referência ao Ministério da Saúde para que outros Estados também o adotem, um motivo de orgulho por prestar este serviço tão importante aos catarinenses", enfatizou o secretário.

A estrutura


A nova sede irá oferecer mais conforto aos pacientes em hemodiálise, elevador de resgate, agilidade e facilidade nas consultas, equipamentos modernos, estacionamento e área de convivência, além de estrutura para manter o atendimento durante enchentes, serviços de atenção e atendimento a portadores de doenças raras, hemodiálise pediátrica, entre outros benefícios.

A área total foi de 1.260 metros quadrados para 8.660 metros quadrados, em um prédio de cinco andares. O número de consultórios multidisciplinares passou de quatro para 12, e o de consultórios médicos, de três para 12. O novo local também conta com estacionamento.

O presidente da Associação Renal Vida, Roberto Benvenutti, reforçou que a nova estrutura vai proporcionar mais qualidade de vida ao paciente e familiares. Será mais tecnológica e humanizada. Informou ainda que os pacientes também terão à disposição cursos a distância. Ao chegar receberão um tablet e poderão acessar as aulas on-line.

"Queremos que o paciente passe momentos agradáveis aqui. A nossa ideia é fazê-lo entender que não se vive para fazer hemodiálise, mas se faz hemodiálise para viver. Não medimos esforços para oferecer o que há de melhor. Foi uma união de forças para chegarmos ao dia de hoje. Agradecemos também ao governador Carlos Moisés pela sensibilidade que teve com o paciente renal crônico. Ele viu a necessidade de ajudar essas pessoas", pontuou.

Para o médico nefrologista Luís Cláudio Francalacci, a nova estrutura representa conforto, principal quesito na obra, além de uma mais acessibilidade, evolução tecnológica e propagação de conhecimento.


Sobre a Associação

A Associação Renal Vida atua em 71 municípios do Vale do Itajaí e da Grande Florianópolis, atendendo mais de mil pacientes em hemodiálise e diálise peritoneal/mês. São 10,5 mil sessões de hemodiálise mensais e 1.993 transplantes renais acompanhados. Mais de 84% dos atendimentos são pelo Sistema Único de Saúde (SUS).

A entidade também trabalha com tratamentos conservadores aos pacientes com nefropatia crônica (tratamento realizado para tentar evitar que o paciente vá para hemodiálise) e, anualmente, realiza ações de prevenção à doença renal.

O diretor executivo da Associação Renal Vida, Tarcísio Steffen, disse que o dia é histórico não só para Blumenau e Santa Catarina, mas também para o Brasil, pela importância do Centro: "É a realização de um sonho", definiu.


Os recursos

Dos R$ 37,1 milhões que a nova sede custou, R$ 26,6 milhões foram aplicados no imóvel, R$ 2 milhões para compra do terreno e cerca de R$ 8,4 milhões em equipamentos. Destes recursos, R$ 21,51 milhões foram de doações da comunidade e empresários. O restante veio por verbas públicas municipais, estaduais e federais.

Até então a estrutura era formada por salas alugadas. Com a nova sede, a Associação terá uma economia mensal de aproximadamente R$ 50 mil reais. Os pacientes serão atendidos no novo Centro a partir da próxima segunda-feira, 2 de maio.

A importância para os pacientes

Cada paciente com falência crônica dos rins necessita de três sessões de hemodiálise por semana, com duração de quatro horas cada. Volnei Trainotti Ewald, 52 anos, é uma dessas pessoas. Há sete anos, descobriu o problema de rins policísticos e neste ano chegou a apenas seis da capacidade, precisando iniciar a hemodiálise.

"Recebemos muito carinho e atenção no atendimento. A Renal Vida é uma segunda família para nós. E essa nova estrutura vem para ajudar ainda mais. Tem horas que é complicado, essa máquina não é fácil. É muito sofrimento, então quanto mais espaço e conforto, melhor" relatou Volnei.


Adriana Becker Ruzinski, 44 anos, faz hemodiálise há 1 ano e 4 meses, e disse estar ansiosa para começar o tratamento no novo espaço. "Daqui a uma semana já estaremos na nova clínica. Estamos felizes. Será um grande ganho para todos, com a estrutura moderna e ampliada. A gente merece. Com certeza teremos muito mais qualidade de vida e para os médicos e servidores também será melhor", afirmou.

Os dois pacientes estão na fila de transplantes à espera de um doador.







EDIÇÕES IMPRESSAS



1218217951.png

 

Cabeço Negro
Rua 20, número 60 - sala 01 = Loteamento Helena B. Morro
Apiúna  - SC - Brasil
89135-000

Copyright © 2011. Todos os direitos reservados | Cabeço Negro