ECONOMIA

Industrialização da economia reduz dependência da Ásia, aponta Fiesc

'O maior desafio para o Estado aproveitar as oportunidades'

Foto: Ricardo Wolffenbuttel / Arquivo Secom

A capa da edição de julho da revista Indústria & Competitividade, editada pela Federação das Indústrias de SC (Fiesc), aponta que muitas oportunidades estão abertas para o setor industrial catarinense. Segundo a publicação, a pandemia evidenciou que países pouco industrializados estão muito dependentes da Ásia, ao mesmo tempo em que a industrialização volta a ser reconhecida em todo o mundo como fator gerador de desenvolvimento.
O presidente da Fiesc, Mario Cezar de Aguiar, destaca em entrevista que o maior desafio para o Estado aproveitar as oportunidades é promover a articulação entre os setores produtivo, institucional e político para planejar o futuro de Santa Catarina, definindo objetivos, prioridades e estratégias. Criar condições para o crescimento da indústria é o principal objetivo da nova gestão da Fiesc que se inicia em agosto e que realizará o maior ciclo de investimentos da história da entidade, de R$ 510 milhões até 2024.
Na entrevista principal da edição o secretário de Comércio Exterior do Ministério da Economia Lucas Ferraz argumenta que a indústria brasileira se enfraqueceu nos últimos anos em parte devido ao isolamento internacional, e explica a estratégia do governo de promover acordos comerciais, modernizar o Mercosul, aumentar a abertura e ampliar a corrente de comércio (importações mais exportações) do Brasil. Em sintonia com a redução do Custo Brasil, as ações deverão elevar a competitividade e a inserção internacional da indústria.
Dentre os setores de Santa Catarina com maior potencial de crescimento no mercado mundial destaca-se a indústria de base florestal, tema de reportagem que detalha os maiores investimentos do setor em curso no Estado e aponta os desafios de garantir a sustentabilidade no fornecimento de matéria prima.
A seção Dossiê Infraestrutura aborda a questão do gás natural, detalhando a demanda existente na indústria catarinense pelo energético e as boas perspectivas para ampliação do fornecimento e redução de preços do combustível. A reportagem destaca o terminal de armazenamento e regaseificação TGS que será construído na Baía da Babitonga, no Norte do Estado, além de suprimentos adicionais na rede existente e a nova legislação para o setor - uma conjunção de fatores que poderá transformar o mercado e dar mais competitividade para a indústria.
Novas oportunidades para a indústria também são abordadas na reportagem sobre Smart Cities, ou cidades inteligentes, um conceito que cresce em todo o mundo. No Brasil, algumas das cidades mais inteligentes estão situadas em Santa Catarina e demandam soluções que envolvem tecnologias de alto valor agregado como Inteligência Artificial, IoT, Big Data, Indústria 4.0, Realidade Virtual e Realidade Aumentada.





EDIÇÕES IMPRESSAS



1218217951.png

 

Cabeço Negro
Rua 20, número 60 - sala 01 = Loteamento Helena B. Morro
Apiúna  - SC - Brasil
89135-000

Copyright © 2011. Todos os direitos reservados | Cabeço Negro