EDITORIAL

LIXO?

Em todas as profissões existem os bons e maus profissionais e no jornalismo não é diferente

Há dois tipos de reclamações estranhas que aparecem com frequência sobre reportagens bem apuradas e equilibradas veiculadas em impressos e nas redes sociais. Uns reclamam por falta de "conclusão", não um arremate ou um fechamento, mas uma espécie de grande final mostrando como os elementos apresentados no texto refutam ou defendem uma tese. Outros dizem que a reportagem é "confusa", não por ser mal escrita ou editada, pois ela não é, mas por apresentar diversos pontos de vista sobre um mesmo tema e não abraçar apenas um deles. Nesse caso, a reclamação vem sempre acompanhada de frases tipo: "Tá, mas o que você defende?", "Texto isentão! Lixo!".

Podemos cair em uma discussão acadêmica a respeito do desconhecimento dos gêneros jornalísticos ou da falta de treino para diferenciar um formato narrativo de um opinativo. Mesmo essa discussão não teria fim uma vez que o formato narrativo também contém doses cavalares de opinião, por exemplo. Mas essa discussão aponta para uma das soluções do problema (educação para a mídia e cultura política, como parte integrante do currículo escolar), não para o entendimento do problema em si.

O leitor quer a opinião, mas quando difere da sua considera a reportagem, texto, um lixo.

Vamos ao caso do jornalismo do maior e melhor conglomerado de veículos de comunicação do país e um dos melhores do mundo, Rede Globo, que é chamado de "lixo" por pessoas que até ficam postando em suas redes sociais e sítios para que seus seguidores e amigos não mais assistam a emissora. Mas essa mesma pessoa lê e aceita a opinião de "jornalistas" comprometidos com partidos e ideologias que recebem muita grana para fazerem seus comentários.

Quem dá o pontapé inicial nessas campanhas são sempre jornalistas comprometidos com ideologias contrárias aos fatos divulgados. A esquerda acusa a Globo de lixo e a direita também, pois não querem que situações sejam expostas.

Que existem erros graves é evidente. Existem manifestações tendenciosas? Claro que sim? 

Isso é natural. Sempre, todos os seres racionais, tenderão a defender o que acreditam.

Todo e qualquer veículo de comunicação terá coisas magníficas para mostrar, como também razoáveis e ruins. Muito lixo também. Mas não é por isso que devemos simplesmente boicotar ou não mais ler ou ver algo referente ao mesmo.

Em todas as profissões existem os bons e maus profissionais e no jornalismo não seria diferente.

Existem leitores preocupados com boas informações e também aqueles que só querem ver "sangue".

Nada assistem ou lêem que não possua catástrofes, desgraças alheias. Gostam de sentirem-se bem sabendo que os outros estão piores.

Portanto, é você leitor que precisa saber separar o lixo do jornalismo sério. Você leitor é que tem de saber filtrar as informações que lhe chegam, pois é possível achar bom jornalismo em meio ao entulho.

Mas, talvez o que seja lixo para você não é para o outro. As suas certezas não são as mesmas das pessoas com quem você convive.

Portanto o seu lixo é apenas seu.






EDIÇÕES IMPRESSAS



1218217951.png

 

Cabeço Negro
Rua 20, número 60 - sala 01 = Loteamento Helena B. Morro
Apiúna  - SC - Brasil
89135-000

Copyright © 2011. Todos os direitos reservados | Cabeço Negro